O Cafeeiro, anteriormente chamado de Cafezeiro, é uma planta natural das estepes da Etiópia. Seu fruto era aproveitado pelos povos africanos na confecção de bebidas. Da África seu uso passou aos persas, depois aos árabes que a partir do século XV divulgou como um grande estimulante, e daí foram se espalhando por todo o mundo islâmico, pelos árabes o café chega a Constantinopla e em seguida a Europa.

Com a tentativa da França de colonizar o Novo Mundo o café chega a América do Sul. Por volta de 1727 foram plantadas as primeiras mudas de café no Brasil especificamente na cidade de Belém do Pará. A partir daí as sementes do café foram descendo pela costa do litoral brasileiro, e em 1770 o café chegou ao Rio de Janeiro e foi ai que o café encontrou uma ótima adaptação.

Até 1886 o Estado do Rio, que era o maior produtor de café do Brasil, perdeu sua posição para São Paulo depois para Minas Gerais e a partir de 1928 cedeu a sua 3ª colocação para o Espirito Santo, ficando assim em 4º lugar na produção Nacional.

Hoje 50% da produção nacional é produzida em Minas Gerais. Sendo a região das Matas Mineiras responsável por 25% da produção do estadual.

A região onde se encontra o Parque Nacional do Caparaó foi ocupada, em tempos remotos, por diferentes grupos indígenas. Encontravam-se ali os Botocudos, Poris (ou Puris), numerosas tribos Tapuias e posteriormente, os Tupis.

A colheita de café ocorre na região desde o século XVIII quando, com o fim da mineração nas Minas Gerais, o produto substituiu o ouro no processo de povoamento mineiro. A região da zona da mata mineira, que incluía cidades como Carangola e Manhuaçu próximas ao Parque, tornou-se cafeicultora, atraindo a partir do final do século XIX imigrantes italianos, espanhóis e portugueses. Porém, com o tempo, a terra foi sendo esgotada, a mão-de-obra foi escasseando, o café foi perdendo valor econômico e regiões mais férteis foram abertas ao seu cultivo.

Com isso, a pecuária de leite sucedeu o café como atividade econômica dominante na região, até à volta do café em anos mais recentes, o qual domina na época atual.

Com o passar dos anos, o café das montanhas vem se mostrando cada vez mais competitivo no mercado, isso graças aos grandes avanços de qualidade e produtividade, ganhando reconhecimento nacional e internacional pela ótima bebida, aroma e sabor.

  • Produção e Torrefação
    Produção e Torrefação do melhor café da Fazenda Andorinhas.
  • Degustação
    Degustação em um ambiente moderno e confortável será que será lançado (em breve) no Parque Cachoeira Das Andorinhas.

Parque Cachoeira das Andorinhas

Aqui, você pode caminhar por trilhas que dividem os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo e ainda apreciar as belezas exuberantes da fauna e flora local, rica em diversas espécies.

  Visa, MasterCard e Elo

Contato

Alto Jequitibá - Minas Gerais | CEP: 36.976-000
Telefone: (32) 98406-9831 | (32) 99996-1633
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.